Ostra-do-mangue (Crassostrea brasiliana)

A produção de ostras, seja através da sua extração em bancos naturais ou da implantação de estruturas de cultivo, é uma fonte de renda importante para a economia de muitas comunidades ribeirinhas espalhadas ao longo da costa brasileira (Ostrensky et al., 2008).

As ostras brasileiras apresentam distribuição coincidente com as áreas de florestas de manguezais, mas o número de espécie e sua distribuição ainda não estão totalmente claros. O conhecimento e a identificação das espécies de ostras na fase de semente, por sua vez, são importantes para determinar a disponibilidade de larvas no ambiente, selecionar os pontos mais adequados para captação de larvas e subsidiar atividades de cultivo adequadas à espécie na região.

No Brasil o maior produtor de ostras é Santa Catarina, embora não seja C. brasiliana a espécie predominante nos cultivos. Segundo dados da Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca da Presidência da República (SEAP/PR, 2009) há solicitação de cultivos de C. brasiliana na Bahia (Candeias), no Paraná (Guaraquaçaba e Guaratuba) e Santa Catarina (Bombinhas).  

[widgetkit id=45]

Ostrensky, A.; Borguetti, J. R. & Soto, D. Aquicultura no Brasil – O desafio é crescer. Brasília, 2008, 276 p.