Apresentação

Com as atuais mudanças climáticas em escala global e o aumento dos fluxos de comércio entre diferentes países e continentes, tem sido quase que inevitável um aumento dos níveis de invasão biológica em ambientes aquáticos continentais. Consequentemente, os problemas relacionados às bioinvasões tendem a se tornar cada vez mais frequentes e severos. Caberá aos operadores e usuários dos recursos hídricos prepararem-se para enfrentar essa nova realidade.

O que está sendo proposto no presente projeto é o desenvolvimento de uma ferramenta de otimização na geração de dados sobre dois conjuntos de informações fundamentais para que os gestores possam definir medidas de mitigação e controle. Para isso, algumas perguntas-chave terão que ser respondidas:  a) quem são os organismos invasores presentes nos reservatórios de hidrelétricas do estado do Paraná?; b) Qual é e como varia a densidade desses organismos ao longo do ano?

Respostas precisas e rápidas para essas perguntas, através do desenvolvimento e validação de uma ferramenta de última geração, baseada no que existe de mais moderno em todo mundo na área de DNA Ambiental, possibilitará um melhor, no futuro, um planejamento mais eficiente, focal, barato e com menores riscos ambientais para convivência e controle desses organismos em UHE. Importante ressaltar que atualmente a análise de identificação de organismos invasores é quase sempre realizada através do método convencional (identificação visual de organismos sob microscópio ótico). Ela custa em média R$ 300,00 – 400,00 por amostra. Um técnico altamente qualificado é capaz de processar cerca de duas a quatro amostras por dia de trabalho, dependendo da quantidade de materiais orgânicos e inorgânicos presentes na amostra e do rigor analítico exigido. Ainda assim, as análises estão sujeitas a erros, em função da grande semelhança que existe entre formas larvais de espécies nativas ou invasoras ou de dificuldades para identificação do tipo de organismo presente em uma determinada amostra.

Já o método molecular possibilitará a análise de, no mínimo, 100 amostras de uma só vez, a um custo pelo menos 20-40% menor e com chances ínfimas de erro analíticos.

Mas, a redução de custos em um projeto como este não pode ser medida apenas com base no valor e na precisão das análises, mas também em tudo o que se relaciona com os custos de controle dos organismos invasores no sistema de resfriamento das usinas, incluindo os custos ambientais, pois quanto maior for a precisão no diagnóstico de risco, menores serão os gastos com os produtos usados na prevenção e no controle de organismos incrustantes no sistema, menos frequentes serão as paradas de máquinas para limpeza do sistema e menores serão os volumes de produtos utilizados para limpeza do sistema.

Objetivo geral

Desenvolver, testar e validar ferramentas moleculares de última geração, baseadas em técnicas de DNA ambiental, para identificação e monitoramento quali-quantitativo das principais espécies aquáticas  invasoras presentes em reservatórios de usinas hidrelétricas do estado do Paraná e que representem riscos para a operação dessas usinas.

 

Objetivos específicos

  • Identificação das espécies aquáticas invasoras que acarretam ou que podem acarretar problemas operacionais em UHEs do estado do Paraná;
  • Realizar campanhas de campo para confirmar a presença das espécies invasoras identificadas na bibliografia e obter material biológico para utilização nas análises genéticas;
  • Identificar ao nível específico os organismos coletados;
  • Definir as espécies invasoras que serão utilizadas na fase detecção e monitoramento através das técnicas de DNA ambiental;
  •   Desenvolver ferramentas moleculares de detecção e quantificação de organismos aquáticos invasores;
  • Validar a metodologia desenvolvida através de testes de campo.