Robótica na produção de siri mole

 

Por Camila Prestes dos Santos Tavares

Publicado em 11/12/2015

 

Como todos os demais crustáceos, os siris trocam periodicamente seu exoesqueleto, em um processo chamado de muda ou ecdise. Logo após a muda, o siri com exoesqueleto pouco calcificado e macio (Figura 1), tem grande valor gastronômico em várias partes do mundo, apresentando-se como uma das formas mais lucrativas de comercialização de siris, podendo custar aproximadamente cerca de três vezes o valor de um siri tradicional de exoesqueleto duro.

IMAGEM 1

Figura 1. Siri logo após a muda. FONTE: FinSki’s, by Katriina Mueller.

 

O siri mole é obtido, principalmente, a partir da captura de animais diretamente do ambiente ou do seu cultivo em condições controladas . Para a produção a partir da captura são selecionados apenas indivíduos em estágio de pré-muda que depois são transferidos para sistemas de produção até realizarem a muda.

Após os siris realizarem a muda, inicia-se o processo de calcificação do novo exoesqueleto, chamado de estágio de pós-muda, em que em poucas horas ocorre o endurecimento do exoesqueleto, diminuindo o valor de mercado.

Comercialmente, a prática atual da produção de siri mole sofre uma série de problemas, principalmente a dependência do monitoramento 24 horas por dia e a despesca manual feito por dezenas de observadores quando a muda ocorre, e a qualidade variável da maciez do exoesqueleto do siri. Entretanto, uma empresa australiana investiu em alta tecnologia para otimizar a produção e suprir a demanda do mercado australiano e externo.

Angus Cameron, um especialista em aquicultura da empresa Watermark Seafoods localizada em Brisbane, na Austrália, após cinco anos de trabalho, desenvolveu um sistema robótico inovador que detecta o siri após a muda e realiza a despesca do mesmo para a comercialização.

Este sistema automatizado pode realizar a detecção de até 40.000 siris mantidos em sistema controlado em compartimentos individuais para evitar o canibalismo. Este mecanismo robótico é projetado para verificar cada siri a cada 2 horas, funcionando da seguinte forma: Primeiramente o robô determina, através da captura de imagens por meio de uma câmera automatizada, se há um siri no compartimento individual. Em seguida, ele alimenta esse siri, com base em se o animal se alimenta ou não. Quando o siri pára de comer, o robô aciona o alarme do sistema, pois sabe-se que dentro de três dias o siri realizará a muda. Após a muda, o robô detecta o siri recém-mudado através da captura de imagens e análise feita por um processador com software que determina se o siri mudou pela presença de dois corpos em um compartimento (corpo do siri e exúvia), em seguida remove o siri da água e está pronto para o beneficiamento e comercialização. Adescrição detalhada do sistema está disponível em Campbell et al. (2004).

Todo o esforço de trabalho realizado por dezenas de observadores é substituído pelo robô, o trabalho da equipe da empresa Watermark se resume em colocar os siris nos compartimentos, e apartir disto o robô realiza o monitoramento até a despesca.

Segundo Angus Cameron, este sistema automatizado é muito eficiente, e futuramente o objetivo da empresa é comercializar a tecnologia para outras empresas do ramo.

 

Referências

CAMPBELL, C. A.; JOHN, D.; WILLIAM, H. G. System for harvesting crustaceans: Google Patents 2004.

FAO. Cultured aquatic species information program.pdf. Food and Agriculture Organization of the United Nations,  2015.  

FREEMAN, J. A.  et al. Postmolt and intermolt molt cycle stages of Callinectes sapidus. Aquaculture, v. 61, n. 3–4, p. 201-209, 4/1/ 1987. ISSN 0044-8486. Disponível em: < http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0044848687901499 >.

GAUDÉ, A.; ANDERSON, J. A. Soft shell crab shedding systems. Stoneville, Miss.?],  2011.  

HE, J. Chinese public policy on fisheries subsidies: Reconciling trade, environmental and food security stakes. Marine Policy, v. 56, n. 0, p. 106-116, 6// 2015. ISSN 0308-597X. Disponível em: < http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0308597X15000020 >.

OESTERLING, M. J. Manual for handling and shedding blue crabs (Callinectes sapidus). Program Virginia Sea Grant College, Gloucester Point, Va,  1988.  

PERRY, H.  et al. Expansion of the Soft Crab Fishery in Mississippi Using Cultured Blue Crabs. p. 5,  2010.  

PERRY, H.  et al. Soft Crab Fisheries: Potencial for Caribbean Development. Proceedings 41st Annual Gulf and Caribbean Fisheries Institute, p. 11,  1992.  

PERRY, H. M.; OGLE, J. T.; NICHOLSON, L. The fishery for soft crabs with emphasis on the development of a closed recirculating seawater system for holding shedding crabs. Gulf States Marine Fisheries Commission, v. 7, p. 17,  1982.  

QUEENSLAND, A.,  2015.  Disponível em: < http://www.aquaculturequeensland.com/products/soft-shell-blue-swimmer-crab/33-farmed-and-fabulous.html >. Acesso em: 08/10/2015.

RADIO, A. A. Robotic Soft Shell Crab Harvester,  2012.  Disponível em: < http://www.radioaustralia.net.au/international/radio/onairhighlights/robotic-soft-shell-crab-harvester >. Acesso em: 08/10/2015.