redinha

Uma crescente preocupação no manejo de peixes ornamentais é garantir o bem estar dos animais e, desta forma, minimizar as perdas durante as várias etapas de manejo. Amphiprion ocellaris, popularmente conhecida como peixe palhaço, é a principal espécie ornamental marinha comercializada mundialmente. O objetivo do presente trabalho foi avaliar o efeito anestésico de óleos essências de cravo S. aromaticum, cânfora C. camphora e menta M. arvensis eestabelecer as concentrações ideais de cada um desses óleos para anestesia de juvenis de A. ocellaris durante o manejo de cultivo. Inicialmente foram realizados testes pilotos para se avaliar as concentrações de anestésicos suficientes para promoção dos cinco possíveis estágios anestésicos (I – sedação, II – anestesia leve, III – anestesia profunda, IV – anestesia cirúrgica, V – colapso medular). Posteriormente, os animais foram submetidos a concentrações de 5, 10, 20, 27 e 35 µL L-1 de óleo de cravo, 17, 35, 50, 70 e 100 µL L-1 de óleo de menta e 200, 400, 500, 55 e 600 µL L-1 de óleo de cânfora, todas testadas em dez animais por concentração. Foram ainda avaliados um grupo controle (sem anestésico) e um grupo complementar, que foi exposto ao etanol (substância utilizada para diluir os óleos). Após exposição aos anestésicos os peixes foram transferidos para água limpa para avaliação da recuperação. A mortalidade e o comportamento alimentar foram observados durante as 48 horas após a exposição aos óleos. Todos os óleos essenciais avaliados proporcionam efeito anestésico em peixes palhaços A. ocellaris. As concentrações ideias dos óleos de cravo, menta e cânfora para indução de anestesia cirúrgica foram de 27, 70 e de 500 a 550 µL L-1, respectivamente. 

artigo1