Eucheuma spp.

A parede celular de algas vermelhas, como é o caso da Eucheuma, assim como de outras algas (como Chondrus, Kappaphycus, Hypnea, por exemplo), é rica um ficocolóide chamado de carragena (polímeros de D-galactose, caracterizados por apresentar grupos sulfatados).

As carragenas são divididas em três grupos de grande interesse comercial, cada um com propriedades e aplicações diferentes: lambda carragena (l), kappa carragena (k) e iota carragena (i). Elas são utilizadas na indústria farmacêutica, cosmética, de tintas e, principalmente, na indústria alimentícia, conferindo propriedades estabilizantes e gelificantes aos alimentos. Devido à sua particular reatividade com a proteína do leite (caseína), é utilizada em uma grande quantidade de produtos, como em sorvetes, queijos, pudins, flãns, iogurtes, gelatinas, produtos de padarias, alimentos dietéticos, temperos e molhos. Além disso, são utilizadas como encorpadores de xaropes, em pastas de dentes, preparações de drogas e loções. Na área da biotecnologia, em imobilização de sistemas, também são utilizadas. Eucheuma e Kappaphycus respondem por quase 90% da produção mundial de matéria-prima empregadas na extração de carragenas (Faccini, 2007).

Em 1960 uma empresa norte-americana de processamento de algas transferiu as suas atividades de coleta de matéria-prima para a extração de carragena da Indonésia para as Filipinas. As algas passaram a ser coletadas em recifes das ilhas de Central Visayas. Antes de completar 10 anos de atividades, os estoques locais de algas estavam completamente esgotados, mas foi exatamente a falta de produto para processamento e a necessidade de abastecimento do mercado que incentivou o início das atividades de cultivo destas espécies (FAO, 2010).

Na década de 1970 as fazendas de cultivo de macroalgas se popularizaram na Ásia e com a demanda crescente de algas secas no mercado internacional, os cultivos de Eucheuma se expandiram também para o ocidente.

O Brasil ainda não realiza cultivos de algas vermelhas em grande escala, mas há um grande mercado em potencial para este tipo de produto. No entanto, há que se ressaltar que essa ainda é uma cadeia produtiva praticamente inexplorada, cuja atividade produtiva em escala comercial enfrentará os desafios e os perigos característicos do pioneirismo.

Hypnea musciformis

No Brasil as duas espécies utilizadas como matéria prima para produção de carragena são a alga exótica Kappaphycus alvarezii e a nativa Hypnea musciformis (Paula et al., 2001; Reis et al., 2006). Entretanto, os estoques naturais de H. musciformis são limitados, apesar de ser uma espécie de ampla distribuição no litoral brasileiro (Paula et al., 2001, 2002). Além disso, embora a espécie apresente alta taxa de crescimento (Reis et al., 2003, 2005),  seu cultivo é tecnicamente menos simples que o de K. alvarezii (Oliveira Filho, 2005). Segundo Paula & Pereira (1998), diversos estudos experimentais foram desenvolvidos no litoral brasileiro, particularmente com espécies de agarófitas, Gracilaria spp. e com a carragenófita Hypnea musciformis, mas os resultados obtidos não estimularam o estabelecimento de cultivos comerciais

No entanto, como o domínio das técnicas de maricultura pressupõe sempre a realização de estudos experimentais, relacionados aos aspectos ambientais e biológicos de uma determinada espécie (Santelices, 1999; Marinho-Soriano, 2005), é fundamental que o potencial de utilização das algas nativas para a maricultura seja estudado e avaliado.

Um estudo sobre o potencial do uso de algas vermelhas de interesse comercial para a maricultura foi realizado por Reis et al. (2005), na Praia do Kutuca, município de Mangaratiba, RJ. H. musciformis apresentou a maior taxa de crescimento, quando comparada com duas espécies de agarófitas testadas (Gracilaria caudata, J. Agardh e G. cervicornis (Turner) J. Agardh), tanto em cultivos in situ quanto in vitro. Segundo os autores, os resultados qualificam H. musciformis como uma espécie apta para a utilização na maricultura.

E o potencial de crescimento diário de H. musciformis é inquestionável. Tanto nos estudos de Ganesan (2006), em que as algas cresceram 11,2% ao dia, quanto nos de Faccini & Berchez (2000) e de Lima (2001), ambos realizados no Brasil, em que a taxas de crescimento diários variaram entre variaram entre 11% até valores máximos de 21%. Essas taxas são superiores às obtidas para outras algas como K. alvarezii (9,99%,  Eswaran et al., 2002), Gracilaria edulis (5%, Subbaramaiah &Thomas, 1990) e Gracilaria acerosa (1,5%, Subbaramaiah & Banumathi, 1992).

Mas, para que todo esse potencial biológico possa se converter em produção, em rendimento econômico, em geração de renda e empregos, é necessário que os eventuais gargalos tecnológicos, logísticos e comerciais sejam antes resolvidos. Em outras palavras, é preciso desenvolver pesquisas, transformar essas pesquisas em tecnologias e transferir essa tecnologia aos eventuais maricultores ou investidores. A produção de algas é uma atividade ainda nova no país e pular essas etapas, principalmente quando se trabalha com pequenos produtores ou com as comunidades pesqueiras pode comprometer o grande potencial da atividade. Por isso, as algas são incluídas no rol de espécies potenciais, inclusive a nativa Hypnea musciformis.

Pterocladia capillacea

Há um outro grupo de algas de grande interesse para a indústria, são as algas agarófitas. Ágar-ágar é um termo que se refere a uma família de polissacarídeos presentes em algumas algas vermelhas, como Gelidium, Pterocladia e Gracilaria, com estrutura de D e L-galactose. O ágar é considerado o ficocolóide mais valioso por algumas de suas características, como formação de gel em baixas concentrações, baixa reatividade com outras moléculas e resistência a degradação por microorganismos, o que permite sua utilização na preparação de meios de cultura, constituindo-se na matéria prima básica na biologia molecular. A partir de frações menos iônicas do ágar obtém-se a agarose, um produto amplamente utilizado em biotecnologia, sendo alguns desses produtos podem chegar a custar US$ 25.000,00 o quilograma (Faccini, 2007).

O ágar tem sido utilizado também como agente gelificante para geléias de frutas e vegetais, em confeitarias para a preparação de doces. Um grande mercado no ocidente é para alimentos em conserva especialmente para animais domésticos. Além destas aplicações também é utilizado em emulsões líquidas no tratamento de constipação e como agente gelificante em géis lubrificantes e pomadas (Faccini, 2007).

Dentre as principais algas agarófitas nativas no Brasil, destacam-se a Pterocladia, nas regiões Sul e Sudestes e a Gracilaria, no Nordeste.

Pterocladia capillacea é uma alga vermelha, que apresenta clorofila a e d e ficobilinas (b, r e c-ficoeritina, aloficocianina e c e r-ficocianina), além de xantofilas e amido como substância de reserva (Lhullier, 2005).

Entretanto, as informações científicas, tecnológicas ou mesmo comerciais a respeito de P. capillacea são bastante escassas. A obtenção de matéria prima para fins industriais é quase que exclusivamente originada da colheita em bancos naturais. Não existe ainda uma tecnologia minimamente desenvolvida para a viabilização dos cultivos em escala comercial da espécie, razão pela qual P. capillacea é aqui apresentada apenas como potencialmente cultivável.

[widgetkit id=53]

Eswaran, K., Ghosh, P. K. & Mairh, O. P. 2002. Experimental field cultivation of Kappaphycus alvarezii (Doty) Doty.ex.P.Silva at Mandapam region. Seaweed Res. Util. 24: 67-72.

Faccini, A. L. 2007. Importância econômica e cultivo de algas marinhas. X Simpósio de Biologia Marinha da Unisanta. 02-06 de julho de 2007. 16 p. Disponível em: http://sites.unisanta.br/simposiobiomar/2007/downloads/material/ apostila%20do%20curso%20economica%20e%20cultivo.pdf. Acessado em 11/04/2010.

Faccini, A. & Berchez, L. F. 2000. Management of natural beds and standing stock evaluation of Hypnea musciformis (Gigartinales, Rhodophyta) in south-eastern Brazil. J. Appl. Phycol. 12: 101-103.

FAO. 2010. Eucheuma spp. Cultured Aquatic Species Information Programme. Disponível em: http://www.fao.org/fishery/culturedspecies/Eucheuma_spp/en#tcN90078. Acessado em 11/04/2010.

Ganesan, M.; Thiruppathi, S. & Bhavanath, J. H. A. 2006. Mariculture of Hypnea musciformis (Wulfen) Lamouroux in south east coast of India. Aquaculture 256: 201-211.

Lhullier, C. 2005. Triagem de macroalgas bênticas do litoral de Santa Catarina biomonitorada pelo ensaio de letalidade para larvas de Artemia salina e investigação fitoquímica de Pterocladiella capillacea. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Farmácia, Florianópolis. 89 p.

Lima, G. 2001 Avaliação do potencial de crescimento “in vitro” e do rendimento em carragena da alga vermelha Hypnea musciformis (Hypneacea, Rhodophyta). Trabalho de Conclusão de Curso de Oceanografia. Universidade do Vale de Itajaí. 39 p

Marinho-Soriano, E. 2005. Cultivo experimental de Gracilaria no Rio Grande do Norte. pp. 115-124. In: Anais da X Reunião Brasileira de Ficologia. Salvador 2004. Rio de Janeiro, Museu Nacional. Série Livros 10.

Oliveira Filho, E. C. 2005. Considerações sobre o impacto ambiental do cultivo da alga Kappaphycus alvarezii na costa sudeste do Brasil. Boletim Ficológico, Ano 24 – 30 de novembro de 2005 (N005): 1-7.

Paula, E. J.; Erbert, C. & Pereira, R. T. L. 2001. Growth rate of the carrageenophyte Kappaphycus alvarezii (Rhodophyta, Gigartinales) in vitro. Phycological Research 49: 155-161.

Paula, E. J. & Pereira, R. T. L. 1998. Cultivo de Algas. Panorama da Aquicultura, Rio de Janeiro 8 (48): 10-15.

Paula, E. J.; Pereira, R. T. L. & Ohno, M. 2002. Growth rate of the carrageenophyte Kappaphycus alvarezii (Rhodophyta, Gigartinales) introduced in subtropical waters of São Paulo State, Brazil. Phycological Research 50: 1-9.

Reis, R. P.; Barros-Barreto, M. B.; Caldeira, A. Q. & Miranda, A. P. S. 2005. Cultivo de algas vermelha de interesse comercial na Ilha da Marambaia, Rio de Janeiro, Brasil. pp. 287-300. In: Anais da X Reunião Brasileira de Ficologia. Salvador 2004. Rio de Janeiro, Museu Nacional. Série Livros 10.

Reis, R. P.; Caldeira, A. Q.; Miranda, E. P. S. & Barros-Barreto, M. B. 2006. Potencial para maricultura da carragenófita Hypnea musciformis (Wulfen) J. V. Lamour. (Gigartinales – Rhodophyta) na Ilha da Marambaia, Baía de Sepetiba, RJ, Brasil. Acta bot. bras. 20(4): 763-769.

Reis, R. P.; Leal, M. C. R.; Yoneshigue-Valentin, Y. & Belluco, F. 2003. Efeito de fatores bióticos no crescimento de Hypnea musciformis (Rhodophyta – Gigartinales). Acta bot. bras. 17(2): 279-286.

Santelices, B. 1999. A concepitual framework for marine agronomy. Hydrobiologia 398/399: 15-23.

Subbaramaiah, K. & Thomas, P. C. 1990. Raft cultivation of Gracilaria edulis (Gmel.) Silva. Proc. Indian Acad. Sci. 100: 123-127.