lambari

O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito anestésico do MS-222 e do propofol e determinar suas concentrações ideais para manipulação segura de lambaris Astyanax altiparanae em laboratório.

Os peixes foram divididos, segundo seu comprimento, em três classes: I (indivíduos entre 1,5 e 5,0cm), II (entre 5,1 e 8,0cm) e III (maiores que 8,1cm). Inicialmente foram realizados testes pilotos para se avaliar as concentrações de anestésicos adequadas para promoção dos cinco possíveis estágios anestésicos (I – sedação, II – anestesia leve, III – anestesia profunda, IV – anestesia cirúrgica, V – colapso medular). Definidas as concentrações mínimas e máximas necessárias para se promover a anestesia no estágio IV, os animais foram expostos a cinco concentrações intermediárias (n=10 peixes/concentração) de cada um dos anestésicos, por 15 minutos. Foi ainda avaliado um grupo não exposto a anestésico (branco). Depois, os animais foram transferidos para água limpa para avaliação do tempo necessário para sua recuperação. Adicionalmente, foi aferido o nível glicêmico de peixes das classes II e III submetidos às concentrações definidas previamente como ideais para cada um dos anestésicos testados (n=10 peixes/tratamento).

Ambas as substâncias avaliadas são adequadas para anestesia de A. altiparanae. A concentração ideal de MS-222 para as três classes de tamanho foi a mesma, 90 mg L-1. As concentrações ideais de propofol para indução à anestesia cirúrgica das classes de tamanho I, II e III foram de 0,22, 0,23 e de 0,27 mg L-1, respectivamente. 

lambari andre