Título: Amazonian fish

Autoras:  Aline Cristina Costa, Andressa Spak de Oliveira. Anne Caroline Araújo e Gabrielle  Nataly Vera

A piscicultura na região Amazônica Brasileira vem crescendo nos últimos anos, isso porque uma das principais fontes proteicas para a alimentação da população é derivada do peixe. As mais consumidas são o tambaqui, tucunaré, pirarucu, jaraqui, pacu e matrinxã. Estima-se que existam mais de 2.500 espécies conhecidas na região, representando cerca de 75% dos peixes de água doce do Brasil. Apesar do crescimento da produção, a maioria das famílias que obtém renda a partir dessa atividade residem em locais de baixa infraestrutura, as quais não dispõe de condições básicas de saneamento. As produções que ainda prevalecem são a extensiva, onde os peixes são criados em viveiros e açudes, e também a extrativista, sendo caracterizada pela pesca de peixes que estão em seu habitat natural. Além dessas, há também a produção em tanques, tanques-redes e canais de igarapé, porém em menor quantidade. A partir de tais informações, acredita-se que a criação possa vir a se tornar ainda mais susceptível a uma intensa proliferação de parasitos nos peixes criados nestes locais. O presente projeto tem como finalidade a elaboração de um Website, “Amazonian fish”, que será desenvolvido ao longo do semestre, contendo um panorama ictioparasitológico (estudo da parasitologia em peixes, envolvendo as áreas de taxonomia, ecologia, aquicultura e patologia) dos possíveis parasitos que podem vir afetar a produção local. E os temas abordados terão como base a revisão bibliográfica de artigos científicos e livros, pesquisas de imagens na internet que possam ilustrar o conteúdo, além de conversas com profissionais da área parasitológica. Apresentando um layout intuitivo, com uma linguagem simplificada sobre o assunto, textos e imagens de fácil entendimento, por serem destinados a um público alvo que envolve produtores locais e, consequentemente os estudantes, podendo assim, levar informações sobre os possíveis efeitos que os parasitos trazem à piscicultura local.