Por Camila Prestes dos Santos Tavares

Publicado em 16/06/2016

 

Crustáceos da família Portunidae possuem cinco pares de apêndices, qualquer um ou mais destes apêndices podem ser removidos naturalmente por autotomia, em outras palavras, a capacidade de auto amputar um membro, a fim de escapar de um predador ou para reduzir a perda de sangue a partir de um ferimento. 

Após um período de tempo, os apêndices perdidos podem ser regenerados, em virtude da capacidade de regeneração destes animais (Figura 1; Figura 2) (Kennedy e Cronin, 2007). Esta adaptação fisiológica permite substituir membros danificados muito rapidamente e, assim, evitar as desvantagens de sobrevivência de funcionar sem um conjunto completo de apêndices (Hopkins, 1989).

figura_1_2.jpg

Figura 1. Siri recém-mudado com o quelípodo esquerdo regenerado (esquerda); ao lado (direita) o exoesqueleto antigo (exúvia) com o quelípodo esquerdo autotomizado.

Figura_2.jpg

Figura 2. Siri recém-mudado com o quelípodo esquerdo regenerado após autotomia (A); e o exoesqueleto descartado durante a muda (exúvia) com o quelípodo esquerdo autotomizado (B).

 

A regeneração dos membros ocorre somente após o processo de muda, em que todo o exoesqueleto é substituído por um novo, produzido pelo próprio organismo (Figura 3).  

Figura_3.jpg

Figura 3. Siri em processo de muda, expelindo o exoesqueleto antigo.

 

Dependendo do período de ciclo de muda (período de tempo entre uma muda e a subsequente) em que ocorreu a autotomia, os apêndices perdidos podem ser regenerados completamente durante um único ciclo de muda (Hopkins, 1989), ou em estágios por meio de mudas sucessivas, até chegar ao tamanho original (Figura 4) (Kennedy e Cronin, 2007)

Figura_4.jpg

Figura 4. Siri em processo de regeneração após um ciclo de muda.

 

Hopkins (1989) dividiu o processo de regeneração de membros em três fases: 1) Cicatrização; 2) Crescimento basal e; 3) Crescimento pro-ecdisial. A cicatrização ocorre logo após a autotomia; o crescimento basal consiste em divisões mitóticas rápidas até que praticamente todas as células de todo o novo membro são produzidos, nesta fase todos os músculos e nervos do novo membro estão sendo concluídas, mas o membro permanece muito pequeno e pode permanecer assim por um período indeterminado; e o crescimento pro-ecdisial é a fase final da regeneração do membro, é o período de 2 a 3 semanas que antecede a muda, e é caracterizado pelo aumento do tamanho das células do membro. Por fim, no processo de muda, o novo membro é puxado para fora e preenchido com hemolinfa.

A perda de membros e a regeneração podem trazer alguns efeitos para os siris, como por exemplo, afetar o crescimento de siris devido ao desvio de recursos metabólicos para regenerar anexos autotomizados (Ary et al., 1987), e alguns estudos afirmam que a perda de membros, aciona o processo de regeneração e pode ocasionar muda precoce (Hopkins, 1982; Skinner, 1985; Hopkins, 1989; David Smith e Hines, 1991; Amador Del Ángel, 1996; Hopkins, 2001; Chang e Mykles, 2011)

 

Referências Consultadas

AMADOR DEL ÁNGEL, E. L. L. M. J. A. C.-R. P. La remoción de quelípedos en la obtención de jaiba azul de concha suave Callinectes sapidus R. en condiciones de laboratorio. Rev. Invest. Mar., v. 17, n. 2-3,  1996.  

ARY, R. D. J.; BARTELL, C. K.; POIRRIER, M. A. The effects of chelotomy on molting in the blue crab, Callinectes sapidus. J. Shell. Res., v. 6, n. 2, p. 103–108, // 1987.  

CHANG, E. S.; MYKLES, D. L. Review: Regulation of crustacean molting: A review and our perspectives. General and Comparative Endocrinology, v. 172, p. 323-330, 7/1/1 July 2011 2011. ISSN 0016-6480. 

DAVID SMITH, L.; HINES, A. H. The effect of cheliped loss on blue crab Callinectes sapidus Rathbun foraging rate on soft-shell clams Mya arenaria L. Journal of Experimental Marine Biology and Ecology, v. 151, n. 2, p. 245-256, 10 / 01 / 1991. ISSN 00220981.

HOPKINS, P. M. Growth and Regeneration Patterns in the Fiddler Crab, Uca pugilator. Biological Bulletin, v. 163, n. 2, p. 301-319,  1982. ISSN 00063185. Disponível em: < http://www.jstor.org/stable/1541268 >.

______. Ecdysteroids and regeneration in the fiddler crab Uca pugilator. Journal of Experimental Zoology, v. 252, n. 3, p. 293-299,  1989. ISSN 1097-010X. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1002/jez.1402520312 >.

______. Limb Regeneration in the Fiddler Crab, Uca pugilator: Hormonal and Growth Factor Control. American Zoologist, v. 41, n. 3, p. 389-398, June 1, 2001 2001.  Disponível em: < http://icb.oxfordjournals.org/content/41/3/389.abstract >.

KENNEDY, V. S.; CRONIN, L. E. The Blue Crab: Callinectes Sapidus.   Maryland Sea Grant College University of Mary, 2007.

SKINNER, D. Moulting and regeneration. The Biology of Crustacea – Integument, Pigments, and Hormonal Processes, v. 9, p. 44 – 128,  1985.