Balanço de nutrientes e qualidade da água em pisciculturas de tanque-rede com regime intensivo de produção

Por Aline Horodesky

Publicado em 17/03/15

 capa

 

A piscicultura em tanques-rede é um sistema de cultivo que causa preocupação com relação a sua capacidade de aporte de nutrientes ao ambiente. Geralmente considerados regimes intensivos de produção, está associado a uma série de fatores que determinam seu sucesso. São levados em consideração dois desses principais fatores neste sistema, que é a elevada taxa de densidade de estocagem e a elevada dependência do fornecimento de ração.

 

1

Figura 1: Imagem de uma piscicultura utilizando tanque rede como sistema de cultivo. Fonte: GIA

 

O sucesso do cultivo de peixes em tanques-rede está relacionado com as características do local escolhido para a instalação dos tanques e, com a capacidade de suporte de carga de nutrientes provenientes da atividade. Durante o período total do cultivo, uma elevada quantidade de ração é ofertada aos peixes, apresentando como consequência alterações no ambiente no qual é lançado, devido a sua composição nutricional.  

A formulação de rações com baixo impacto poluente é discutida há muito tempo pela comunidade científica e empresarial na área de aquicultura. Sua composição deve permitir que os peixes cumpram suas exigências nutricionais e que o grau de impacto causado no ambiente por esses compostos nutricionais sejam de menor grau possível.

 

2

Figura 2: Ração peletizada fornecida para peixes cultivados em tanques rede. Fonte: Zippy

 

Alguns fatores (tais como, comportamento, sanidade, funções fisiológicas, crescimento) determinantes do sucesso do desenvolvimento dos peixes em um cultivo, assim como a qualidade da água que circunda esses cultivos são influenciados diretamente pelos hábitos alimentares e pelas dietas oferecidas a esses peixes.

Em escala espacial, os efeitos de dispersão dos efluentes da aquicultura são dependentes de uma série de fatores, incluindo a área utilizada para o cultivo, tempo de sedimentação dos resíduos da ração e das fezes, a velocidade e movimentação da água e a profundidade dos locais onde estão instalados os tanques-rede.

Os peixes requerem em suas dietas proteínas, lipídios, fibras, vitaminas e minerais. O tipo e quantidade de cada um desses nutrientes variam entre as espécies, a idade, as funções produtivas e as condições ambientais.

O arraçoamento é uma prática que permite aos peixes terem acesso aos alimentos artificiais, suplementares ou balanceados, ingerindo-os em quantidades suficientes de acordo com suas necessidades, mas esse arraçoamento deve ser realizado de acordo com as quantidades corretas de alimento a serem ofertadas aos peixes.

 

3

Figura 3: Arraçoamento de peixes cultivados em tanques rede. Fonte: Emater

 

O uso de rações não balanceadas e a alimentação excessiva reduzem a capacidade de absorção dos nutrientes pelos peixes e resultam em um demasiado aumento na quantidade de resíduos nos regimes de produção. Consequentemente, esses resíduos são eliminados em grandes quantidades no ambiente tornando-se poluentes.

A maioria dos estudos de impactos ambientais da aquicultura em tanques-rede tem demonstrado um aumento no nível de sólidos em suspensão e nutrientes, principalmente nitrogenados e fosfatados, e uma diminuição na concentração de oxigênio dissolvido em torno dos tanques-rede.

Em cultivos com tanques-rede, há um influxo direto de nitrogênio e fósforo, uma vez que o cultivo está instalado no próprio ambiente, impossibilitando o desvio ou tratamento dos efluentes, que ao se diluírem no corpo d’agua são tratados conforme a capacidade desse ambiente.

Os compostos nitrogenados são oriundos do metabolismo dos peixes, quanto mais intensivo for o cultivo, maior será a sua produção, tanto devido a maior densidade de estocagem quanto a maior dependência de ração.

Os compostos fosfatados são minerais importantes no metabolismo animal, eles são adicionados às rações, e como os demais minerais, nem todo fósforo suprido é metabolizado, parte dele é repassado para a água por lixiviação da ração e outra parte é liberada pelas fezes dos peixes, assim, dependendo do teor e forma em que o fósforo se encontra na dieta, associado à qualidade e quantidade de ração fornecida, poderá existir um maior ou menor aporte de fósforo para o ambiente. 

Fósforo (P) e nitrogênio (N) são os principais resíduos da aquicultura que podem causar eutrofização na água onde os cultivos estão instalados. Descargas de P e N no ambiente aquático são preocupantes, uma vez que P é o nutriente mais limitante para produção primária de algas e, portanto, o mais impactante.

 

4

Figura 4: Registro da cor da água próximo a um cultivo de peixes em sistema intensivo. Fonte: GIA

 

Níveis de fósforo ajustados cuidadosamente às exigências nutricionais dos peixes e alimentos altamente digestíveis são considerados como melhores opções de segurança para evitar perdas excessivas de fósforo, e consequente poluição da água.

Dependendo da biomassa acumulada ou da densidade de estocagem, e composição das dietas, a excreção de nitrogênio pode alcançar níveis crônicos ou letais em um sistema de piscicultura e/ou também resultar em super-eutrofização.

Portanto, o manejo alimentar adequado irá garantir o aproveitamento do potencial de crescimento dos animais, melhores condições de saúde, e como consequência, irá permitir que os mesmos suportem as condições adversas do meio e resistam ao manuseio e transporte, evitando a instalação de doenças. Assim como, irá contribuir para redução no desperdício da ração, diminuindo a poluição ambiental e reduzindo os riscos de um sério impacto no ambiente.

 

Referências Consultadas

Araripe, M. N. B. A. S., L.F.F.; Lopes, J.B.; Alencar Araripe, H.G. (2006). “Efeito do cultivo de peixes em tanque rede sobre o aporte de fósforo para o ambiente.” Revista Científica de Produção Animal 8: 56-65.

Baccarin, A. E. (2002). Impacto ambiental e parâmetros zootécnicos da produção de tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus) sob diferentes manejos alimentares. Centro de Aquicultura. Jaboticabal, Universidade Estadual Paulista. doutorado.

Bergheim, A. B., A. (2003). “Effluent treatment for flow through systems and European enviromental regulations.” Aquacultural Engineering 27: 61-77.

Beveridge, M. C. M. (2004). “Cage Aquaculture.” Blackwell: 183-200.

Boscolo, W. R. H., C.; Meurer, F. (2002). “Digestibilidade aparente da energia e nutrientes de alimentos convencionais e alternativos para a tilápia do Nilo (Oreochromis niloticus, L.).” Revista Brasileira de Zootecnia 31: 539-545.

Cho, C. Y. B., D.P. (2001). “A review of diet formulation strategies and feeding systems to reduce excretory and feed wastes in aquaculture.” Aquaculture Research 32: 349-360.

Coloso, R. M. K., K,; Fletcher, J.W. (2003). “Phosphorus utilization in rainbow trout (Oncorhynchus mykiss) fed pratical diets and its consequences on effluent phosphorus levels.” Aquaculture 220: 801-820.

Cyrino, J. E. F. C., L. (2001). “Fundamentos da criação de peixes em tanques-rede.”: 38.

Cyrino, J. E. P. B., A.J.A.; Sado, R.Y.; Borghesi, R.; Dairiki, J.K. (2010). “A piscicultura e o ambiente – o uso de alimentos corretos em piscicultura.” Revista Brasileira de Zootecnia 39: 68-87.

De Silva, S. S. G., R.M.; Shim, K.F. (1991). “Interactions of varying dietary protein and lipid levels in young red tilapia: Evidence of protein sparing.” Aquaculture 95: 305-318.

Diaz, M. M. T., P.F.; Pedrozo, F.L. (2001). “Response of Phytoplankton to enrichment from cage fish farm waste in Alicura reservoir (Patagônia, Argentina).” Lakes & Reservoirs 6: 151-158.

Elangovan, A. S., K.F. (1997). “Growth response of juvenile Barbodes altus fed isocaloric diets with variable protein levels.” Aquaculture 158: 321-329.

Felsing, B. M. T., T.; Glencross, B. (2006). “15N-enrichment of an aquaculture diet and tracing of cage culture waste in an estuarine enviroment.” Journal Applied Ichthyology 22: 419-426.

Gou, L. L., Z. (2003). “Effects of nitrogen and phosphorus from fish cage-culture on the communities of a shallow lake in middle Yangtze River basin of China.” Aquaculture 226: 201-212.

Green, J. A. B., E.L.; Hardy, R.H. (2002). “Effects of dietary phosphorus and lipid levels on utilization and excretion of phosphorus and nitrogen by rainbow trout (Oncorhynchus mykiss). .” Aquaculture Nutrition 8: 291-298.

Halver, J. E. H., R.W. (2002). “Fish nutrition.” Academic press: 144-179.

Hardy, R. W. (2002). “Phytase.” Aquaculture magazine 28: 41-45.

Islam, M. S. (2005). “Nitrogen and phosphorus budget in coastal and marine cage aquaculture and impacts of effluent loading on ecosystem: review and analysis towards model development.” Marine Pollution Bulletin 50(1): 48-61.

Kubitza, F. L., L.L.; Ono, E.A.; Sampaio, A.V. (1999). “Planejamento da produção de peixes.” 77.

Salaro, A. L. L., D.M. (2005). “Criação de peixes em tanques rede.” Senar 1: 92.