2008 - Aquicultura no Brasil: o desafio é crescer.

Livro aquicultura no Brasil

Ostrensky, A.; Borghetti, J.R. & Soto, D. 

Prefácio

Orquestrar o desenvolvimento sustentável da aquicultura brasileira para conciliar a preservação ambiental com a efetiva repartição dos benefícios sociais e econômicos por ela gerados constitui a mais importante tarefa para os que integram o setor aquícola nacional. Ou seja, promover o desenvolvimento sustentável da aquicultura no Brasil.

Por certo, converter o imenso potencial nacional – tantas vezes propalado em decorrência da dimensão continental do país, da sua incomparável disponibilidade hídrica e de sua imbatível diversidade de espécies de peixes cultiváveis – em reais vantagens competitivas, não se fará possível sem informações estruturais e planejamento estratégico. Ciente disso, o governo federal, por meio da Secretaria especial de Aquicultura e Pesca da Presidência da República, solicitou a elaboração de um estudo setorial da aquicultura brasileira, que está inserido no convênio de Fortalecimento Institucional firmado com a FAO/ONU (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação)

O estudo executado pelo Grupo Integrado de Aquicultura e Estudos Ambientais (GIA) deu origem ao livro AQUICULTURA NO BRASIL: O DESAFIO É CRESCER. Esse volume traz uma diversidade de temas abordados que envolvem desde a avaliação da produção nacional no contexto mundial, passa pelo papel do governo, alcança minúcias dos problemas enfrentados para o desenvolvimento do setor e por fim esmiúça gargalos dos vários elos da cadeia produtiva. É um instrumento estratégico para os que buscam conhecer a nossa aquicultura em detalhes.

O texto, ricamente ilustrado, contribui para auxiliar gestores e formadores de opinião na condução dessa transformação que se irradia nas águas brasileiras. Sem dúvida, este trabalho dá contornos de um setor demandante de ações que contribuam para a formação de um ambiente de investimentos favorável, mas, também, retrata uma atividade pujante e dotada da substância necessária para tornar-se uma das mais importantes entre as que compõem o setor primário da economia nacional, com impactos na geração de alimento, emprego, renda e divisas.

Os desafios aqui apresentados estão no horizonte do governo brasileiro. Queremos juntos, governo e sociedade, compartilhar as tarefas necessárias para que a aquicultura brasileira seja um fator de desenvolvimento sustentável e de soberania alimentar da nação.

 

Altemir Gregolin

Ministro

Secretaria Especial de Aquicultura e Pesca

Presidência da República