Que perigos as ostras podem representar aos consumidores?

 Por Gisela Geraldine Castilho-Westphall

Publicado em 11/11/2015

As ostras podem apresentar vários perigos, que podem ser classificados em três categorias: físicos, químicos e biológicos.

Perigos físicos

Os perigos físicos estão relacionados, principalmente, à ingestão de fragmentos de concha enquanto o consumidor degusta a sua ostra. Como nosso organismo não é capaz de digerir uma estrutura dura como é a concha, existe o risco do consumidor desenvolver algum problema gastrintestinal.

111

Figura 1. Pedaços de conchas que podem ser acidentalmente ingeridos.

 

Perigos químicos

Os perigos químicos ocorrem pela presença de toxinas na carne da ostra. Essas toxinas, quando ingeridas, podem provocar doenças graves.

Os perigos químicos relacionados às ostras podem ser de origem biótica (causados por um ser vivo, como as bactérias, vírus ou as microalgas) ou de origem abiótica (quando não são provenientes de um ser vivo, como ocorre quando há uma contaminação por agrotóxico, por exemplo).

Toxinas produzidas por bactérias

Há uma grande variedade de bactérias que liberam toxinas, em alguns casos, uma mesma bactéria pode produzir mais de um tipo de toxina.

As toxinas podem ser liberadas de duas formas, de acordo com o tipo de bactéria, a primeira ocorre quando as bactérias morrem, rompem-se e libera as chamadas endotoxinas (Salmonella, por exemplo). Num segundo caso, as toxinas são liberadas pelas bactérias vivas e são denominadas exotoxinas (Staphylococcus aureus, por exemplo).

A presença dessas toxinas em alimentos pode causar diversos problemas ao consumidor. Em infecções por bactérias produtoras de endotoxinas, o consumidor pode apresentar febre, fraqueza, dores, choque séptico (um tipo grave de infecção que leva à falência do sistema circulatório), dilatação dos vasos sanguíneos e, quando em grande quantidade, infecção generalizada (septicemia), que pode levar o paciente à morte.

Como grande parte das toxinas é resistente ao calor, mesmo não consumindo as ostras cruas ou mal cozidas, o consumidor pode adquirir intoxicações alimentares. Neste caso, o monitoramento das ostras no cultivo e os cuidados com a higiene durante a manipulação deste alimento são fundamentais.

Toxinas produzidas por algas microscópicas (microalgas)

Embora estejam presentes em praticamente todos os ambientes aquáticos e serem uma importante fonte de alimento para diversos organismos, inclusive as ostras, algumas microalgas, assim como as bactérias são capazes de produzir toxinas.

Tais toxinas, quando ingeridas junto com os alimentos (ostras contaminadas, por exemplo), ou em contato com a pele (em banhos de mar, por exemplo) podem causar diversas doenças.

Quando as espécies de microalgas capazes de produzir toxinas começam a se multiplicar de forma descontrolada no ambiente, ocorre um fenômeno chamado genericamente de "maré vermelha" (ou florações de microalgas). Nesses casos, quanto maior a quantidade destas microalgas na água, maior será a concentração de toxinas.

As principais síndromes de intoxicação humana por toxinas produzidas por microalgas são a: amnésica, a paralisante e a diarreica.

Como a maioria dessas toxinas é incolor, não tem cheiro e é resistente ao calor (cozimento, por exemplo), o monitoramento de áreas de cultivo e das próprias ostras produzidas é a melhor forma de prevenir surtos de intoxicação alimentar pela ingestão de ostras contaminadas. Em casos de ocorrência de “marés vermelhas”, o Ministério da Pesca e Aquicultura atua, proibindo temporariamente a comercialização de ostras cultivadas nas áreas afetadas.

Poluentes

Entre os perigos químicos causados pela ingestão de ostras contaminadas estão os produtos de origem abiótica, ou seja, aqueles que não são produzidos por organismos vivos. Agrotóxicos, metais pesados, resíduos de indústrias, são alguns dos poluentes que representam alto risco ao consumidor caso as ostras sejam expostas a eles.

Para evitar problemas futuros, é importante, antes de iniciar um cultivo, verificar se há proximidade da área de cultivo com fontes poluidoras, como indústrias, locais de lançamento de esgotos, postos de combustíveis, marinas, etc. Também é preciso que o produtor tenha um cuidado muito grande com os próprios combustíveis e lubrificantes que mantém estocado ou que eventualmente usa para chegar até sua área de cultivo. Caso algum destes produtos químicos são seja mais utilizado, ele deverá ser armazenado em embalagem apropriada e descartado corretamente. Eles nunca deverão ser jogados na água!

gi1

Perigos biológicos

Bactérias

Bactérias são organismos unicelulares, ou seja, compostas por uma única célula. Por isso mesmo, são extremamente pequenas e só podem ser enxergadas com o uso de microscópios.

As bactérias são encontradas em absolutamente qualquer lugar (no solo, na água doce, na água salgada, no gelo, no ar, nos animais, em vegetais, na matéria em decomposição, nas fezes, nos alimentos, nas ostras e até em nossos corpos). Aliás, os seres humanos possuem mais bactérias que células humanas em seus corpos.

Ao mesmo tempo que bactérias podem produzir toxinas e representar um perigo químicos ao consumidor (causando as chamadas intoxicações alimentares), a sua simples presença em um alimento pode também ser prejudicial ao ser humano. Algumas bactérias entram no organismo do consumidor junto com o alimento. Depois, elas se multiplicam dentro do corpo da pessoa que o ingeriu e causam doenças.

211

Figura 2. Bactérias em um meio de cultivo.

 

A contaminação bacteriana pode ter duas fontes, a água contaminada ou o próprio manipulador.

 Manipulador é toda pessoa que em algum momento manipula o alimento e isto não ocorre só no momento de consumi-lo, mas também durante o manejo (retirada da estrutura de cultivo, retirada de incrustantes), transporte, colocação na embalagem, processamento (desconchamento, congelamento, resfriamento, etc.) e no preparo e consumo das ostras.

311

Figura 3. Ostras sendo retiradas da água para comercialização.

 

Como estão presentes em todos os lugares, as bactérias se adaptam com grande facilidade a qualquer situação. Algumas são extremamente benéficas e até necessárias para a nossa saúde e a dos animais. Outras são responsáveis por graves doenças.

O mesmo acontece em relação às ostras. As bactérias podem estar presentes e não causar nenhuma doença a elas, mas podem causar sérios problemas a quem consome estas ostras. Ou ainda, podem estar presentes e não causar nenhum problema nem às ostras e nem aos consumidores.

Porém, como muitas vezes as ostras são consumidas cruas, há um grande risco de que se estiverem contaminadas com bactérias causadoras de doenças elas possam prejudicar a saúde dos consumidores. O problema torna-se ainda mais preocupante quando se sabe que algumas bactérias são capazes de produzir toxinas que se mantém estáveis, ou seja, continuam sendo tóxicas, mesmo após o aquecimento do alimento a altas temperaturas.

gi2

Um exemplo de bactéria causadora de doenças nos humanos é Vibrio vulnificus, que provoca gastroenterite (inflamação do estômago e intestino) e infecções de pele tão graves que se espalham rapidamente e podem exigir até a amputação do membro afetado.

Vírus

Os vírus podem estar presentes em ostras, sem alterar seu odor, sabor ou mesmo sua aparência. Por isso, ostras contaminadas com determinados vírus podem também representar riscos à saúde do consumidor. O problema é que a única forma de saber se realmente há contaminação viral em ostras é através de análises laboratoriais.

Ao contrário de algumas bactérias, entretanto, os vírus não são capazes de resistir ao cozimento do alimento. Mas, como ostras são frequentemente consumidas cruas, os riscos de contaminação não devem ser desprezados.

Como os principais vírus relacionados às ostras são provenientes da contaminação da água por fezes, o monitoramento do ambiente de cultivo passa a ser uma boa ferramenta para reduzir os riscos de ocorrência de doenças.

Parasitos

Entre os parasitos que já foram identificados em ostras coletadas no Brasil, há alguns protozoários que podem representar grande risco para o consumidor, por serem causadores de doenças em humanos. Protozoários são organismos microscópicos e podem estar presentes em água contaminada por fezes e também se acumular em ostras.

Cistos do protozoário Giardia duodenalis e oocistos do protozoário Cryptosporidium já foram observados em ostras, mesmo após sua depuração em equipamentos contendo lâmpadas ultravioletas, que deveriam eliminar os micro-organismos presentes na carne das ostras. Estes protozoários são transmitidos pelas fezes, ou seja, a água onde estas ostras eram cultivadas tinha contaminação fecal.

O preocupante é que os cistos de Giardia duodenalis são formas resistentes, que permitem o protozoário sobreviver na água, resistir a desinfetantes, passar pela acidez do estômago e se manter viável por até 2 meses no ambiente. A doença provocada por este parasito é a Giardíase, uma zoonose (afeta seres humanos e animais) que causa: diarreia, distensão e dores abdominais, perda de peso e fraqueza. Os sintomas menos frequentes incluem: esteatorréia (gordura nas fezes), diminuição do apetite, flatulência, náuseas e vômitos, febre, dor de cabeça e nervosismo.

O protozoário Cryptosporidium sp. parasita desde o esôfago até reto, embora o habitat preferencial seja o intestino delgado. É uma zoonose, ou seja, afeta seres humanos e animais e tem ampla distribuição geográfica. Causa diarreia aguda com duração de 1 a 2 semanas, náuseas, vômitos, dor abdominal e febre. Esta doença se torna muito mais grave em pessoas imunodeprimidas, principalmente em portadores do vírus HIV, podendo haver infecção em outros órgãos, como nos pulmões.

  • Problemas em sua piscicultura? Entenda as principais causas e medidas para evitar maiores prejuízos

  • Doenças que afetam camarões marinhos e são de notificação obrigatória

  • Características físicas e químicas dos rios amazônicos

  • Controle de mexilhão dourado em usinas hidrelétricas brasileiras

  • Descoberta de um vírus associado à mortalidade de siris: implicações para a produção de siri-mole

  • O lambari: uma espécie promissora

  • Metagenômica de ostras cultivadas em ambientes estuarinos

  • Aspectos da vida do salmão

  • Produção de siri-mole: Cuidados com a qualidade da água

  • Mexilhão dourado - Parte 2

Lançamentos

Destaques

Publicações Científicas mais Recentes

Projetos em Andamento

A produção integrada na carcinicultura brasileira

A produção integrada na carcinicultura brasileira

Biologia e desenvolvimento de tecnologia para o cultivo de siris de interesse comercial no litoral paranaense

Biologia e desenvolvimento de tecnologia para o cultivo de siris...

A indústria como agente da conservação dos recursos hídricos na bacia do Alto Iguaçu e afluentes do Alto Ribeira

A indústria como agente da conservação dos recursos hídricos na...

Centro de Análise e Informação Estratégica da Aquicultura - INFOAQ

Centro de Análise e Informação Estratégica da Aquicultura - INFOAQ

Monitoramento de Limnoperna fortunei (mexilhão dourado) e do hidrozoário Cordylophora capia em reservatórios no estado do Paraná

Monitoramento de Limnoperna fortunei (mexilhão dourado) e do hidrozoário Cordylophora...

Boas práticas de produção, sanidade e rastreabilidade de ostras

Boas práticas de produção, sanidade e rastreabilidade de ostras

Monitoramento da qualidade de ostras no litoral paranaense.

Monitoramento da qualidade de ostras no litoral paranaense.

Marcadores Moleculares e Biológicos Aplicados a Incidentes em Ambientes Aquáticos Continentais

Marcadores Moleculares e Biológicos Aplicados a Incidentes em Ambientes Aquáticos...

Conheça...

Imagens de Projetos

Videos